quinta-feira, 30 de março de 2006

Topónimos Tupi-Guaranis (5)

conclui-se agora a viagem pela toponimia tupi-guarani. só foram aqui chamados os principais topónimos que podem encontrar paralelo na toponímia galego-portuguesa e brasileira de língua portuguesa e, assim, ajudar a compreender as lógicas ou as motivações que estão por detrás dos nomes dos rios, das serras, das aldeias, das planícies, enfim, da toponímia em geral, que numa estratificação histórica, civilizacional e linguística, como aquela que ocorreu no espaço galego-português, deu origem a designações já difíceis de decifrar e a homofonias e convergências enganosas em que muita gente se perde e faz perder os outros.
há muitos outros topónimos tupi-guaranis, mas, na sua maior parte, dizem respeito a especificidades locais da fauna e da flora que seria fastidioso e de pouca utilidade enumerar. por outro lado, também não esgotariam a proveniência linguística da toponímia nativa brasileira, porque deixariam sempre de fora os topónimos criados por tribos que não são de fala tupi-guarani, como os tapuias e os caribes.

alguns topónimos tupi-guaranis (de U a Z) e seu significado em português:

Ubatuba - de ybá (canoa)+tyba (muito, colecção): "sítio das canoas", "porto das barcas (canoas)"

Umuarama - outra criação de erudito, neste caso Silveira Bueno, a partir do tupi-guarani. foi forjada de embu (lugar)+ara (cheio de luz, soalheiro)+ ama (muitos, reunião): "lugar soalheiro e bom para juntar pessoas (amigas)". é nome de uma cidade do Paraná

Upamoroti - de ypá +moroty: "lagoa clara"
Utinga - de y (água, rio)+tinga (branco): "rio branco"

Vupabussú - de upabussú: "lagoa branca". nota: não há o som "v" em tupi-guarani

Ybatuba: "muita fruta": "pomar"
Ybitiguassú: "serra grande"
Ybytimirim: "serra pequena"

Ymirim: de y(água, rio)+mirim (pequeno): "rio pequeno", "riacho", "arroio", "ribeiro", "regato"


segunda-feira, 27 de março de 2006

Topónimos Tupi-Guaranis (4)

quando os romanos chegaram à Península Ibérica e à região ocidental galego-portuguesa, as serras, os rios, as planícies, planaltos, cabeços e cumeadas, fontes, veigas, lagos e lagoas tinham já de seu um nome cada. aos romanos coube-lhes arremedar na sua língua própria - o latim - os nomes dos lugares de que iam tomando posse. não deixaram na Toponímia uma assim tão augusta marca, para além das cidades por eles fundadas, como Emmerita Augusta (Mérida), Caesarea Augusta (Saragoça), Pax Julia (Beja) e Aequae Flavis (Chaves). muitas outras cidades tiveram o seu nome latinizado, mas não latino, como Asturica Augusta (Astorga), Bracara Augusta (Braga), Brigantia (Bragança), Lucus Augusta (Lugo), Igaeditania (Idanha). a marca dos romanos não é essa. é terem deixado a sua influência civilizacional e linguística.
o mesmo se passou com os portugueses em África e na Ásia do Sul. Bissau, Guiné, Cabinda, Luanda, Angola, Zaire, Huíge, Huambo, Bié, Zambeze, Rovuma, Moçambique, Goa, Damão, Diu, Macau, Timor e assim por diante, são nomes aportuguesados de topónimos nativos. a nossa influência nessa parte do Mundo foi outra.
assim também no Brasil. o que em si mesmo é natureza, sem a mão do homem, é linguisticamente nativo.

alguns topónimos tupi-guarani (de P a T) e o seu significado em português:

Papuã - "monte redondo". na toponímia portuguesa: "Monte Redondo"
Pará - "mar" (rio muito grande)

Pavuna - de ypab (lagoa + una (preta): "lagoa preta". na toponímia portuguesa: "Lagoa Escura"

Perituba - de piri (junco)+tyba (muito, colecção): "juncal". na toponímia portuguesa: "Juncal"

Pindorama - seria "o país das palmeiras" ou Brasil. mas é um topónimo daqueles de que falava Jolorib. não foi "postado" por índio, mas por um tal de Magalhães. dá o nome a uma cidade do Estado de S. Paulo

Ponta Porã - palavra "cabocla": portug. "ponta"+ tupi "porã" (bonita): "ponta bonita"

Potiguar - "comedor de camarão", "marisqueiro". era o nome depreciativo com que as tribos do interior chamavam as tribos do litoral nordestino, por não terem oferecido resistência aos europeus (portugueses). nesse contexto, tem o significado de "frouxo". no entanto, a população de Natal e do Rio Grande do Norte faz gosto no epíteto

Potinji - de potim (camarão)+yi (água, rio): "rio dos camarões"
Reritiba - de reri (concha)+tyba (muito, colecção): "concheira"

Taba - a aldeia, o povoado. na toponímia galego-portuguesa: "Pai" (palavra plural de pagus), "Vigo", Alcaria", "Caria", "Aldeia"

Tabaínha - palavra "cabocla". de taba (aldeia)+sufixo diminut. português inha: Aldeota, que também é topónimo brasileiro e português

Tabapuã - de taba (aldeia)+puã (alta): "aldeia alta". como "Tábua" e "Taboão"

Taboaté, Taubaté - de taba (aldeia)+eté: a taba a sério, a cidade
Tanhenga - de itá (pedra)+ nheenga (que fala): "pedra falante"
Tijuca, Tijuco - "pântano, paúl"

domingo, 26 de março de 2006

Topónimos Tupi-Guaranis (3)


quando em 1500 chegaram os primeiros portugueses, calcula-se que no Brasil houvesse cinco milhões de nativos. o contacto com os homens europeus, o seu trato, os seus hábitos e as suas doenças estranhas, dizimaram essa gente da qual resta hoje menos de dez por cento, ou seja, aproximadamente umas 400 000 almas (ver Comentº). destes sobreviventes, muitos perderam a língua e o essencial da sua religião e cultura. os padres jesuitas destacaram-se no esforço de aculturação dos índios, mas foram eles também os que primeiro estudaram e compreenderam a língua tupi-guarani, falada pelos nativos do imenso litoral brasileiro. no nosso tempo é ainda uma das línguas oficiais do Paraguay ("rio dos papagaios")


alguns topónimos tupi-guaranis (de J a O) e seu significado em português:

Jericoacoara - de yurucuá+cuara: "a toca das tartarugas" ou "o síto onde as tartarugas vão (pôr os ovos)"

Jucunem - de y (água)+ucúnem (malcheiroso): "lagoa malcheirosa"

Jupi - de yu+py: "espinheiro", nome de serra. em português: "Espinheiro"

Juruá - de yurá (boca)+ á (aberta): "boca larga", foz aberta de um rio

Jurumirim - de yurá (boca)+ mirim (pequeno): "embocadura ou foz apertada"

Lopo - de ropo (com r brando): serra que leva o nome da tribo que a habita
Manhuassú - de amana (chuva)+ (gu)assú (grande): "onde chove muito"
Manhumirim -de amana (chuva)+ mirim (pequena): "onde chove pouco"
Marajó - de mbara+yó: o anteparo ou "barreira do mar". nome de uma ilha

Maranhão - embora pareça convergente com topónimos portugueses, tem significado diferente: de mbara (mar)+nhã (agitado)

Miracatá - de mira (gente)+catú (bom): "gente boa"

Mondim - convergente com topónimos iguais galegos e portugueses, mas com significado diferente: de mundé: armadilha pequena. nome de rio. "rio das pequenas armadilhas". tal como o caso de "Maranhão" e outros, estas homofonias lembram as dificuldades com que nos deparamos na interpretação de topónimos antigos

Narandiba - de narã (do português "laranja")+tyba (muito, colecção): "laranjal"

Ocarussu - "terreiro grande"


sábado, 25 de março de 2006

Topónimos Tupi-Guaranis (2)

a internet tece a sua teia a uma velocidade realmente astronómica. reparem que só a Technorati gaba-se de coligir 31,3 milhões de sítios e 2,2 mil milhões (bilhões) de enlaces. a coisa pode ser multiplicada pelos milhões e bilhões (milhares de milhões) de outros buscadores. é um número tão incrível como os milhões de anos-luz traduzidos em quilómetros. ser visto e ser lido neste universo imenso é um milagre. e, porque é um milagre, é tamém uma responsabilidade de respeito. nenhum livro, nem o mais vendido dos livros mais vendidos alcança tamanha difusão, nem fica exposto a tão grande, tão sincera e tão íntima crítica - seja ela favorável, desfavorável ou simplesmente crítica.
é assim que Toponímia Galego-Portuguesa e Brasileira passa de uma (quase) brincadeira inicial a um caso sério. entenda-se: sério para quem se meteu neste caminho, fará por esses dias seis meses.
e nesta viagem chegámos ao Brasil, à Toponímia Nativa, aquela que dá nome à natureza tal como o ser humano a encontrou.

alguns topónimos tupi-guaranis (de D a I) e o seu significado em português:

Emboaçaba - equivalente aos topónimos portugueses em "Vau"
Engaguassú - de yguá (baía)+guassú (grande): "baía grande"

Garapava - de igara (canoa)+paba (porto): lugar onde estacionam as canoas. "porto das canoas"

Grupiara - de curu-piara: sítio onde há muito cascalho. na toponímia portuguesa: "Seixal"

Guanabara - de goanã-pará: goá (baía)+nã (que parece)+pará (mar): "baía-mar", "baía muito grande"

Guayrá, Guaíra - à letra: "daí não passas!". é nome de uma queda de água (intransponível), "Sete Quedas"

Iapeyú, Ipojuca - "brejo", "pantanal"

Iaquã - "cotovelo do rio", "volta do rio". no toponimia portuguesa: "Volta do Rio"

Ibiapaba - "terra alta plana", "planalto". na toponímia portuguesa de origem árabe: "Almeida"

Ibiaçua - "encosta". como "castanheira", em português.

Ibiãgui - à letra: "o sopé da terra alta": "o sopé da serra". na toponímia portuguesa: "Pé da Serra"

Ibiapina - de ybyã (terra alta)+pina (careca, sem árvores): "serra calva"

Ibipeba - de yby (terra)+peba (baixa): "planície"

Ibirapuera - de ybirá (árvore, mata)+puera (que já não é):"antiga mata"

Ibicuityba, Ibicuitiba, Ibiciritaba - de iby (terra)+cui (areia)+tyba (muito): "areal"

Icaray, Icaraí - de y (água, rio)+caray (santa, santo):"água santa". na toponímia galego-portuguesa: "Águas Santas", "Augas Santas"

Igarapaba - variante de "Garapava"
Igaraé - de igara (canoa)+apé (caminho): "caminho das canoas". um braço de rio

Iguassú, Iguaçú - de y (água, rio)+guassu (grande): "rio grande". na toponímia espanhola de origem árabe: "Guadalquibir"

Iguatemi - de yguá (baía)+timbi (verde escuro): "(foz de ?) rio verde escuro"

Indayatuba, Indaiatuba - de indayá (palmeira indayá)+tyba (muita, colecção): "palmeiral", "palmar"

Inhuã - de nhu (campo)+ã (elevado, alto): "campo alto"

Inhumirim - de nhu (campo)+mirim (pequeno): "campo pequeno". em Lisboa: "Campo Pequeno"

Inussu - de nhu (campo)+ussu (grande): "campo grande". em Lisboa: "Campo Grande"

Ipanema - de y (água, rio)+panema (má, mau): "rio mau". em Portugal: "Rio Mau"

Ipiranga - de y (água, rio)+piranga (vermelho): "rio vermelho". em Portugal e Espanha: "Rio Tinto"

Iporanga - de y (água, rio)+poranga (bonito): "rio lindo", "rio bonito"
Itaituba - de itá (pedra)+tyba (muitas, colecção): "pedregal"
Itamarati - de itá (pedra)+morati (muito brancas): "pedras (muito) alvas"

Itapira - de itá (pedra)+ apira (elevada, empinada): pedra empinada. não pode traduzir-se por "Perafita" porque aqui a pedra está empinada pela mão do homem

Itacoatiara - ver post

sexta-feira, 24 de março de 2006

Topónimos Tupi-Guaranis (1)


das quatro bisavós que me couberam em sorte, uma era brasileira. não a conheci nem sei de onde veio, ou se era apenas uma ex-emigrada no Brasil, daquelas de que se ocupou o nosso escritor oitocentista Camilo Castelo Branco. sei que era "Ribeiro". na casa dos meus avós maternos, em S. Torcato, Guimarães, ouvia falar desse tronco "brasileiro" que, aliás, dava motivo de alcunha a esse filão genealógico. falava-se por lá um português muito próximo do galego, ao menos no léxico e em certas particularidades da pronúncia. mas lembro-me que havia palavras de uso comum que tinham vindo do Brasil. uma delas era o "côco", nome que se dava ao caneco de tirar a água do cântaro.
do tempo dessa bisavó e filho do Brasil tamém, tinha lá um papagaio que viu morrer e nascer várias gerações de gente. bem amestrado e bem falante, o papagaio era o garçon da loja. assim que chegava alguém, logo chamava: "- ó António, anda à loja!" e quando o cliente se aprontava para sair coa encomenda, assim o bicho lembrava: "- pagar que não esqueça..."
isto não faz tanto tempo, nem eu sou assim tão velho que tudo se passasse no tempo em que os animais falavam. mas, para o bem e para o mal, Portugal mudou tanto que é já difícil compreender como esses tempos fazem parte do mesmo país.
mas foram esses tempos o suficiente para que fizesse parte de mim a cultura comum galego-portuguesa e brasileira.
até aqui tenho ocupado a grande maior parte do blogue com as raizes comuns galego-portuguesas, visíveis na Toponímia à vista desarmada.
é a vez de falar da toponímia tupi-guarani. parecerá que nada tem que ver com a cultura e a língua de origem ibérica, indo-europeia na sua maior parte. pois não tem. mas tem uma importância fundamental na compreensão de como se forma a Toponímia de um país.
o povo nativo é o que dá o nome aos rios, às serras, às praias, aos campos, à natureza não transformada pelo homem. em grande parte do Brasil, o povo nativo fala(va) o tupi-guarani nos seus diversos dialectos. há, ainda, topónimos que não são europeus nem tupi-guarani. mas formam uma minoria que por agora não interessa.
não existe melhor forma de compreender como nasce um topónimo que a de estudar a toponímia brasileira tupi-guarani, pois que por cima da camada nativa vem apenas e logo o português. as homofonias com o léxico português, que por vezes aparecem, são curiosas. e algumas já nós vimos, como o caso dos topónimos brasileiros em "Boi".

alguns topónimos tupi-guarani (de A a C) e seu significado em português:

Aguapey ou Aguapí - de aguape (nenúfar)+y (água, rio): "rio dos nenúfares". poderia evoluir para "água-pé", formando um falso (e disparatado) topónimo português

Aiba - "matagal", "brenha". na toponímia galego-portuguesa: "Brenha"
Andaray - de andyray (morcego)+y (água, rio): "rio dos morcegos"

Anhangabaú - de anhangá+bá (malefício do diabo)+y (água, rio): "rio do(s malefícios do) diabo"

Anhangay, Anhangaí - de anhangá+y: "rio do diabo"
Apetumbu ou Apetumby - "estrada poeirenta"
Apeturibú, Apottribú - "estrada da fonte"

Apiay - "lugar úmido, alagado" (ocorre em lugares de mineração, de chumbo por exemplo)

Apiteribú, Apoteribu, Poteribú, Potribú - "fonte do meio"

Aporã - "lugar bonito no alto". o mesmo que "Belavista" ou "Boavista" em português (Cf. Belvedere)

Apuã - "monte, colina, môrro arredondado", "cabêço", "cabêça"

Apyra - "ponta, cabo, fim da terra" (Cf. Fisterra - Gz. - e Finisterre - F)

Aracajú - capital de Sergipe: "muito antiga". é um sinónimo de "Cadima"

Araçoyaba - "o que faz sombra". no caso, no Estado de São Paulo: "monte em forma de chapéu", "monte sombreiro"

Arapecum - "restinga, língua de terra"
Araraquara - "o paradeiro das araras"

Araxá - "a vista do mundo". é o mesmo que "Belo Horizonte" em português

Assaré - "o atalho, caminho alternativo". à letra: "caminho diferente"

Atibaia - "lugar saudável". o mesmo que "Belos Ares" em português e "Buenos Aires" em castelhano. o significado inverso, "maus ares", é o nome de uma doença que todos gostaríamos de ver erradicada: a malária

Avaré - "(lugar onde mora) o homem diferente" (padre), "(sítio d)o padre"
Avay ou Abaí - de Abá (homem)+y (água, rio): "rio do homem"
Baeriri, Bariri - "rio com cachoeiras", "cachoeiras do rio"
Baetimbaba - "plantação, horta, roça" (à letra: "lugar que produz muitas coisas")
Baetybeyma - "terra árida, estéril". na toponímia portuguesa de origem árabe: "Safara"
Bambuy ou Bambuí - de bambu (sujo)+y: "rio sujo" (barrento)

Bangú - "monte ou cêrro escuro". na toponímia galego-portuguesa de origem latina: "Monte Negro" ou "Montenegro"

Baruery - o mesmo significado que Baeriri e Bariri

Boquira - de mboquira: "onde a chuva nasce", "lugar de onde vêm as nuvens"

Brocotó - de mborocotó: "terreno cheio de altos e baixos"

Butantã - de mbu (lugar, terra)+ tã-tã (dura-dura, muito dura): "terra muito dura"

Butuquara - de ybytu (vento)+quara (abertura, fenda): "a porta do vento". em Portugal: "Portela do Vento"

Buturuma - de ybyty+una: "monte negro"

Bytury - de ybyty (montanha)+y: "água ou rio da montanha", "ribeira da serra"

Caçapava - "clareira, picada ou passagem na mata". se a clareira foi feita por fogo, diz-se "Caucaia"

Catanduva - e caá (mato)+dyba (duro): "mato duro". é o mesmo que "Mato Grosso" em português.

Catujy - de catu (bom)+yi (água, rio): "rio bom"

Catumbi - de caá+tumbu: "à beira da mata", "no (so)pé do monte". na toponímia portuguesa: "Pé da Serra" (Cf. "Piemonte", Itália)

Curityba, Curitiba - "pinheiral", "pinhal"



terça-feira, 21 de março de 2006

Substantivos e Adjetivos de Origem Toponímica


há palavras em português de Portugal que têm origem toponímica. sobretudo em alguns adjectivos, o povo da terra em causa nem sempre fica bem no retrato. contas e coisas da História...

aqui vão:

badalhoco (adjectivo. de "Badajoz" - Badalhouce -, Extremadura, Espanha)

boémio (adjectivo. de "Boémia", região da Europa Central, actual República Checa. aquele que leva uma vida despreocupada, divertida e vadia. essa evolução semântica deve-se aos ciganos vindos da Boémia)

braga (cueca de meia côxa. termo usado em Espanha. de "Braga")

casaco (substantivo, também conhecido no Brasil por paletó. deriva de "khasak", povo do Khazakhstan)

caxemira (substantivo. tecido fino de lã. deriva de "Caxemira", região entre a Índia e o Pasquistão, disputada por ambos os países)

cobre (substantivo, metal. de "Kypros", a Ilha de Chipre)
cretino (adjetivo. de Creta)
damasco (substantivo, fruto. de "Damasco", Síria)

enxovia (substantivo. do árab. "ax-xauía", etnónimo de populações marroquinas entre Azamor e Rabat, que os portugueses adoptaram como nome de significado geográfico. era uma região rica em cereais, que se guardavam em covas: as "covas de Enxovia". daí a evolução para "espelunca, casa insalubre")

esgroviado, esgrouviado (adjectivo. de "O greve", Galiza?)

frango (substantivo. ave de capoeira. de França)

galego (que trabalha muito e ganha pouco, labrego, rústico. no Brasil, é sinónimo de "português", com o mesmo sentido)

galinha, galo (substantivo. ave de capoeira. de "Gália", França)

gravata (substantivo. deriva de "Croácia" - Hrvatska)

laranja (substantivo, fruto. de "Orange", França)

palerma (adjectivo. de "Palermo", Sicília, Itália)

patavina (substantivo. de "Pádua", "o falar de Pádua". como era um falar estranho, difícil de entender por quem não sabe, serve de paradigma para se dizer "não percebi nada": "não percebi patavina" - ver Comentário)

persiana (substantivo, cortina para diminuir a luminosidade: "da "Pérsia")

pêssego (substantivo, fruto, de pérsico. da "Pérsia")

pulha (adjectivo, de "Puglia",Itália)

samarra (substantivo. espécie de casaco com gola de pele de raposa. de "Samara", cidade da Rússia?)

tangerina (substantivo, fruto. de "Tânger", Marrocos)

túnica (substantivo. peça de roupa comprida com corpo e mangas. de Túnis, Tunísia)

turquesa (substantivo. nome de pedra preciosa e nome de côr. de Turquia)

varina (substantivo. de O Var - "Ovar". termo lisboeta para vendedeira ambulante de peixe)


segunda-feira, 20 de março de 2006

Agora é Que a Porca Torce o Rabo



como temos visto, em Toponímia os nomes sobrevivem à língua e à civilização que lhes deu voz. por isso, uma nova camada populacional, uma nova época, uma nova língua, podem fazer com que novas gerações não tenham pelo nome da sua terra o agasalho e o mimo de outras gerações e de outros tempos.
os topónimos em "Porco", "Porca", "Porqueiro", assim criados no caldeirão de povos e línguas que nos gerou, são relativamente frequentes. como no caso do touro, a relação muito especial, sagrada, entre o homem e o porco pode ter feito convergir a evolução de palavras sem nenhum parentesco linguístico.
assim, tendo em conta uma antiquissima tradição do culto dos berrões, de que restam as porcas de Murça, de Torre de D. Chama etc., poderia pensar-se que os topónimos em causa se referissem a esse animal. mas não é assim. uma antiquíssima raiz p-r-k indica a presença de "água".


Barranco do Porco (pleonasmo: "ribeiro do ribeiro")
Chão de Porcos
Momporcão
O Rabo do Porco (Gz.)
Pocariça (?)
Ponte do Porco - como é óbvio, as pontes pedem um rio, ribeiro, regato ou regueiro que lhe passe por debaixo.

Porcalhota (a multidão de novos habitantes chegados à Porcalhota no fim do Séc. XIX já não sabia de onde diabo vinha semelhante nome, tendo pedido ao Rei que lhe desse melhor sorte. ficou então "Amadora")

Porco (Pt. e Br.)- topónimo associado a pequenas ilhas ou ilhéus, a elevações de terreno ou a ribeiros, regatos ou regueiros. talvez haja um denominador comum: a água corrente.

Porcos de Armenteiro
Porqueira (Pt. e Gz.)
Porqueiros (Pt. e Gz.)
Porquinhas
Porquinho
Ribeira do Porco (Md.) - parece um pleonasmo, coisa muito comum na Toponímia.
Serra do Porco
Torre de Porqueira (Gz.)
Venda do Porco


sábado, 18 de março de 2006

Entre Aqui e Acolá



muitos topónimos galegos, portugueses e brasileiros referem-se à particular situação do lugar entre dois ou até três rios, entre vales, entre vinhas, etc. não têm outro significado.

Entre-Ambos-os-Rios
Entre-as-Devesas
Entre-as-Serras
Entre-Caminhos
Entrecasas (Gz.) - um topónimo misterioso, sem dúvida
Entre-Devesas
Entre-Matinhas
Entre-Montes (Br.)
Entre-os-Rios
Entre Rios (Br.)
Entrerribeiras (Gz.)
Entrerribeiros (Gz.)
Entrerríos (Gz.)
Entresserras
Entrevais (por Entrevales)
Entre-Vinhas
Entrevinhas ou Entreviñas (Gz.)



quarta-feira, 15 de março de 2006

Oleiros. Olarias e Cerâmica


da saga que levou à sedentarização em povoados, com o desenvolvimento da agricultura, fez parte a produção de uma série de utensílios indispensáveis à conserva e transporte de alimentos, à cozinha, à apresentação da comida e da bebida e ao momento das refeições. enquanto era suficiente, usou-se a cana, a cabaça e a madeira como matéria prima. ainda restam, em algumas aldeias, alguns desses utensílios, seja por ainda estarem em uso, seja apenas para turista ver.
mas o que deu a alma à civilização agrícola e lhe exteriorizou os sentimentos foi a cerâmica e, dentro da cerâmica, a arte e o ofício próprios da olaria.
povos (povoados) na Galiza, em Portugal e no Brasil (ver Comentº) que se especializaram na produção de figuras de barro, com as quais se dá largas a uma tradição comum, a um tempo erótica e satírica, que se manifesta(va) também nas cantigas de escarnho e maldizer.
a importância da olaria e da cerâmica justifica que a presença de oleiros ou de lugares de produção cerâmica tenha deixado marcas na toponímia. embora houvesse olarias e oficinas muito antes, os topónimos mais antigos deste grupo são arábicos e situam-se na região moçárabe.
ainda hoje há aldeias, como Bisalhães, Molelos e Vilar de Nantes que preservaram formas e técnicas próprias de olaria, procuradas pelos apreciadores.
grande parte dos topónimos que se seguem designam lugares onde já não há vestígios do ofício, embora em alguns casos ainda esteja presente em lugares não muito afastados - provavelmente herdeiros desse saber.


Aldeia de Oleiros

Alfafar (árab.: "al-fakhar": "olaria")
Alfarela
Alfarelha
Alfarelos (árab. :"al-fakhkhar": "loiça de barro")

Molelos (ainda hoje é uma terra de produção cerâmica tradicional própria. a questão é saber se o termo "molelos" tem que ver com a roda do oleiro)

Ola ("panela", "pote de barro". está por "olaria"?)
Olas
Oleira (Pt. e Gz.)
Oleiro
Oleirolos (diminut. de "Oleiros")
Oleiros (Pt. e Gz.)
Olela (diminut. de "Ola")
Olelas (Pt. e Gz.)



domingo, 12 de março de 2006

Paredes Meias com o Passado

alguns lugares que haviam sido abandonados pelas suas antigas populações foram depois re-ocupados pela população que lhe deu o nome actual. deles restavam apenas muros e paredes, ruínas de um tempo e de um viver sumidos na voracidade da História. só a Toponímia lhes assegura a imortalidade, ainda que sem conteúdo nem sentido. estes topónimos são frequentes na Galiza e em Portugal.


vale a pena assinalar aqui o que se passa com as chamadas aldeias serranas da Lousã, de Góis, de Arganil e Pampilhosa da Serra. estas aldeias foram quase cem por cento abandonadas pela sua população, que migrou para Lisboa, para outros Estados da União Europeia, para a Suíça, eventualmente para o Brasil. vieram pessoas do Norte da Europa, cansados da sociedade da abundância, para empreenderem um regresso à natureza, à agricultura manual de subsistência, à luz das velas. mas estas aldeias não mudaram de nome. na realidade, ainda não estavam totalmente abandonadas e o seu nome salvou-se. o mesmo não aconteceu com a sua alma. a cultura, agora, ainda que de "regresso à natureza", é totalmente outra, com o seu ar hippie démodé.


Pardelhas (Pt. e Gz.) (diminut. plur. de "Parede": paredelhas)
Pardieira
Pardieirinho
Pardieirinhos
Pardieiro (de paredeiro)
Pardilhão
Pardilhó (diminut. de pardelha)
Paredão
Parede (Pt. e Gz.)
Paredes (Pt. e Gz.)
Paredes da Beira
Paredes de Coura
Paredes do Bairro
Paredes Secas
Paredinha (diminut. mais recente)
Paredinhas



terça-feira, 7 de março de 2006

O Topónimo "Cerveira"

sempre tive uma especial curiosidade por este topónimo. diziam os mestres e as pessoas do povo que por detrás deste nome estavam veados, rebatizados de "cervos". seriam, pois, lugares onde abundariam esses nervosos e belos ruminantes, se não estivessem em perigo de extinção. além disso, tinham esses nomes o costume de se referir a lugares altos ou junto a elevações de terreno contrastantes. até que um dia descobri o Monte Cervino, nos Alpes Suiços. "Cervino"? outros pronunciavam "Cerviña". O seu nome suíço-alemão é Matterhorn, que nada tem a ver com cervos ou veados. em latim, há a cervix, ou seja, a nuca, o alto da cabeça, o pescoço e, também, o cume dos montes. a partir daqui, o topónimo abre-se em todo o seu significado óbvio: "cimeira", "cumeada", "cabeça", "mont'alto".
mas como em questão de orónimos e hidrónimos é sempre bom desconfiar da origem latina - os montes e os rios já cá estavam antes de os romanos chegarem -, é de admitir, sem medo de errar, que "Cerveira" pertença à família dos orónimos indo-europeus em "kerv-" e "karv-", como "Carvalho".
talvez haja quem prefira os cervos, mesmo que lá não estejam e nunca tenham estado. por mim, prefiro de longe a cervix que lá está.



topónimos em Cerv-:

Cerva
Cervaínhos
Cerval
Cervão (Br.) ("cervos" no Brasil?)
Cervas
Cerveira (Pt. e Gz.)
Cervelhos
Cervinho (Br.) (ver "Cervão")
Vila Nova de Cerveira



domingo, 5 de março de 2006

Esses "Touros" Por Aí...


O topónimo "Touro", e seus derivados, embora presente em várias regiões da Península Ibérica, não tem nada a ver co'a velha teomaquia que hoje se representa nas arenas de forma profana. o culto ibérico pelo poderoso animal divino, que já vem dos tempos em que pintaram as grutas de Lauscaux e de Altamira, pode ter influenciado a fonética do topónimo - mas é só. além disso, na Galiza e no norte de Portugal, não existe tradição nem cultura taurina mas os topónimos "touro", "tourinho", tourais" e derivados são frequentes. em toponímia, "touro" é um termo anterior ao latim que significa "monte", "lugar alto". noutros casos, refere-se ao termo euskera "itur", que significa "fonte", e é responsável por alguns nomes de rios e ribeiros)

aqui deixo alguns "Touros":
Chão do Touro
Corte do Touro
Monte de Tourais
Monte dos Touros
Quinta dos Touros
Reta l Toro (Mir.) - ver post "Urrieta"
Rio do Touro - ver "Tourões"
Toiral (Gz.)
Toirais
Toura
Tourago
Tourais
Toural (Pt. e Gz.)
Tourão
Tourega
Touregas
Tourel
Tourém (?)
Touril
Tourinho (Pt. e Gz.)
Touro (Pt. e Gz.)
Tourões (pelo menos em alguns casos, significará "terra povoada por gente vinda de Touro". também é hidrónimo ou nome de rio, e neste caso, virá de um fundo basco que significa "fonte")
Touróm (Gz.)
Urre l Toro (Mir.) - ver "Reta l Toro"
Vila do Touro (no sentido de "quinta do touro")