quarta-feira, 14 de agosto de 2019

queira, queirã, queirão, queirela, queireses, queirões, queirós

estes topónimos referem-se à palavra pré-latina "cario" ("penha", "rochedo", "pedra").

quinta-feira, 4 de julho de 2019

Mesão

Resultado de imagem para a mansio romanaMesão – "mesão" vem do latim "mansio" ("pousada", "albergaria"), lugar de repouso oficial para gente credenciada que fazia caminho pelas vias romanas. havia uma "mansio" de 45 em 45 quilómetros, aproximadamen-
te.
em redor destas pousadas cresceram, com o tempo, povoados que chegaram até hoje.

algumas dessas albergarias seriam pouco requintadas e, por exemplo, não teriam lareira acesa, tendo os frequentadores que prover ao seu próprio aquecimento. daí os vários "Mesão Frio" que se encontram pelo norte de Portugal.

domingo, 5 de maio de 2019

Fogueira

Fogueira é uma aldeia da freguesia de Sangalhos, distrito de Aveiro. o seu estranho nome tem-me despertado curiosidade, já que, para a "fogueira" corresponder ao que parece e merecer lugar na toponímia, deveria ter um caráter permanente e ser coisa digna de se ver.
parece-me mais uma caraterística dialetal da região, com alternância do "i" e do "o", tal como sucede com o rio Cértima, que ora é assim escrito, ora se escreve Cértoma quando se respeita a fala da região.
assim sendo, atrevo-me a considerar que "Fogueira" está por "Figueira".
se assim for, fazem todo o sentido os próximos lugares de "Casaínho" e as três Póvoas: Póvoa do Mato, Póvoa do Castelo e Póvoa do Salgueiro.
veja-se a entrada "Figueira".

quarta-feira, 1 de maio de 2019

Leça (Pt.), Leza (Cast.)

é mais um hidrónimo comum a Portugal e à região nordeste da Península, indicando a extrema antiguidade do estabelecimento do seu nome.
Leça / Leza (a pronúncia é a mesma) é um hidrónimo comum a Portugal e às regiões de La Rioja e Euskadi, cuja etimologia é paleoeuropeia (le(i)-k-) e se refere à ideia de "verter", "fluir", "es-correr" - como um rio ou ribeiro, córrego, corgo (rio Corgo), corvo (rio Corvo) ou corrente.


Fonte: Onomástica Galega II: onimia e onomástica prerromana e a situación linguística  do noroeste peninsular. Actas do Segundo Coloquio de Leipzig, 17 e 18 de outubro de 2008, edición a cargo de Dieter Kremer, Verba, Anuario Galego de Filoloxia, Anexo 64.

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Ega

outra curiosa coincidência entre a toponímia e hidronímia basco-navarra e a portuguesa é o topónimo e hidrónimo Ega. em Navarra, o Ega é um dos afluentes do Ebro. em Portugal, o rio Ega é um afluente da margem esquerda do Mondego e dá nome a uma freguesia do concelho de Condeixa-a-Nova, freguesia essa antigo território, vila e concelho, pertença dos Templários.
há quem diga que o hidrónimo não é euskera, mas sim latino. a ser latino, é parente dos "Égua", cuja etimologia nos remete para "Água".

terça-feira, 23 de abril de 2019

Nafarros, Navarra

Nafarros é uma povoação da freguesia de São Martinho, do concelho de Sintra. o seu significado não oferece grande dúvida, já que se refere a um povoamento levado a cabo por gente oriunda de Navarra (Nafarroa, na língua euskera).
por sua vez, Navarra, freguesia do concelho de Braga, refere-se igualmente a um povoamento por gente oriunda da mesma região da Ibéria.

domingo, 21 de abril de 2019

Cidacos

Cidacos é um hidrónimo. a sua forma é desinencial, provavelmente genitiva, e indica um nome singular.
em Portugal só tenho ouvido falar de Cidacos em Oliveira de Azeméis, sob a forma de lugar, de ribeira (Ribeira de Cidacos) e respetivo vale (Vale de Cidacos).
o topónimo é estranho e tem uma sonoridade arcaizante. alguns querem ver nele uma origem árabe, mas é sempre melhor procurar topónimos iguais por outras paragens, para se evitar os romanismos e arabismos excessivos.e despropositados. em geral, os rios, lugares, aldeias e cidades têm o nome que lhes foi posto pela língua dos seus primeiros frequentadores. é o que acontece na Europa, na Ásia, na América e na Oceania.
o hidrónimo Cidacos aparece como afluente do Ebro em La Rioja - e com o respetivo Valle del Cidacos; e em Pamplona, Navarra, onde dá nome a um ribeiro - o Zidacos (em castelhano) ou Zidakos (em euskera), afluente do rio Aragão, por sua vez afluente do Ebro. a localização destes Cidacos ou Zidacos / Zidakos (a pronúncia das três grafias é basicamente a mesma) nos extremos nordeste da Península não auguram grande sorte à tese arábica, mas também tornam a decifração da sua origem e significado um bom bocado problemática. pode adiantar-se, sem medo de errar, que o significado, tendo em conta que nenhum dos Cidacos é rio principal, será, então, "ribeiro" ou "ribeira". a sua filiação linguística é que é obscura, pois os bascos têm outras palavras para dizer o mesmo. é, seguramente, um nome pré-romano e a sua antiguidade candidata-o a núcleo humano mais antigo de Oliveira de Azeméis.
outra questão é saber como aparece em Oliveira de Azeméis um ribeiro com um nome igual aos do outro canto da Península.

segunda-feira, 25 de março de 2019

Bóina

Bóina é um hidrónimo. refere-se a um rio do Algarve, localizado junto a Portimão, atualmente na bacia do rio Arade, de que é afluente.
o nome da ribeira de Bóina faz, inevitavelmente, lembrar o do rio Boyne ou An Bóinn, da Irlanda, cuja etimologia remete para uma divindade feminina celta, Boann, que personifica a água e a fertilidade.