sábado, 15 de abril de 2006

Senhoras e Senhores


vestígios de uma antiga mundivisão pagã submersa no cristianismo oficial, estas "Senhoras" e estes "Senhores" sobrevivem ainda no imaginário vivido de muitas aldeias, montes, rios e caminhos. não são santos nem deuses propriamente ditos. falta-lhes o Nosso ou a Nossa antes de
Senhor ou Senhora. não tenhem nome próprio, não se chamam João, Pedro, Maria, sei lá. mas fazem milagres, curam e salvam dos mil e um poréns e imprevistos da existência humana. as suas festas são ainda essencialmente pagãs. nelas se come e bebe e dança. e se cumpre a promessa.
no interior ou no adro das capelas, muito destes locais exibem telas, madeiras ou quadros de azulejo com o "Milagre Que Fez " (Pt. e Br.) o Senhor ou a Senhora do lugar.


Senhora-a-Branca
Senhora Aparecida (Pt. e Br.)
Senhora Armada (Gz.) - advogada das dores de cabeça. porquê?
Senhora da Agonia
Senhora da Ajuda (Pt. e Br.)
Senhora da Azenha

Senhora (ou Virgem) da Barca (Gz.)- ver enlace de "Senhora do Caminho"

Senhora da Barca do Lago

Senhora da Boa Viagem - invocação própria de gente embarcadiça, por exº., pescadores

Senhora da Cabeça

Senhora da Estrela - na Redinha, Pombal, é um culto extremamente arcaico. em serra calcária, uma gruta muito profunda está obstruída por uma capela, que ocupa a parte esquerda do saguão da gruta. os ex-votos de sempre estão ainda vivos em pleno séc. XXI: "f..., de Poios, mandou fazer à Senhora da Estrela". faz lembrar uma gruta "neolítica" das Astúrias: a gruta de Covadonga (em latim, Cova Dominica : "a Gruta da Senhora"). mas tirando a capela - que já é muito -, tudo está como dantes: ao natural e longe dos curiosos

Senhora da Graça (Pt. e Br.)
Senhora da Guia (Pt. e Br.)
Senhora da Hora
Senhora da Lapa
Senhora da Lapinha
Senhora da Luz - ver Comentº

Senhora da Menina - curiosa invocação, que nos remete para as "matrioscas" (avó-mãe-filha-neta). é um culto pagão evidente

Senhora da Nazaré
Senhora da Ó ou Virgem da Ó (Gz.)
Senhora da Oliveira
Senhora da Peneda
Senhora da Penha
Senhora da Póvoa
Senhora da Ribeira
Senhora da Rocha

Senhora da Saúde - uma sobrevivência da Salus romana, ou um culto anterior romanizado?

Senhora das Areias - pode ser precedida do possessivo "Nossa"
Senhora da Serra
Senhora das Candeias
Senhora das Mercês
Senhora das Necessidades
Senhora das Neves
Senhora das Preces
Senhora das Virtudes (Pt. e Gz.)
Senhora das Vitórias (ver Senhora da Vitória)

Senhora da Vida - embora possa levar o possessivo "Nossa", não deixa de ser uma Senhora pagã

Senhora da Vitória - uma sobrevivência da Victoria romana
Senhora de Cadeiras (Gz.)
Senhora de Entre Águas

Senhora de Guadalupe (Gz., Pt. e Br.)- é motivo da célebre canção popular galega "A Rianxeira": "A Virxen de Guadalupe/ cando vai pola Ribeira/ descalciña pola areia/ parece umha rianxeira/..."

Senhora de Porto d'Ave
Senhora do Alba (Gz.)
Senhora do Além
Senhora do Almurtão
Senhora do Amparo
Senhora do Bom Juízo

Senhora do Cabo - pode levar o possessivo "Nossa", mas não deixa de ser uma Senhora pagã

Senhora do Caminho (Gz.)
Senhora do Cardal
Senhora do Carril
Senhora do Castelo
Senhora do Círculo

Senhora do Faro (Pt. e Gz.)- ver "Virgem do Faro" ou "Virxen do Faro"

Senhora do Gozo (Gz.)

Senhora do Lago - ver "Senhora da Barca do Lago"

Senhora do Leite - invocação extremamente arcaica da mater nutrix. os romanos identificaram-na a Ísis. ver nota a "Virgem dos Olhos Grandes"

Senhora do Monte -

Senhora do Ó (Pt. e Br.)- ver "Senhora da Ó"

Senhora do Pilar -
Senhora dos Aflitos -
Senhora dos Esquecidos -
Senhora dos Milagres (Pt., Gz. e Br.) -
Senhora dos Navegantes (Br.) -

Senhora dos Olhos Grandes (Gz.) - invocação notável pelo seu arcaísmo. remete-nos para "Atena", "Minerva" e, ainda mais para trás, à "Deusa-Coruja". é a padroeira da cidade de Lugo e também protege as vindimas e os emigrantes. note-se que Palas Atena era chamada "a dos olhos grandes" ou "olhos de coruja" ou, ainda, "a dos olhos verdes". isto não significa uma influência grega ou romana (no caso de Minerva) na Galiza, mas sim uma origem comum do culto da "deusa"-coruja. e tal como em Braga em relação à Senhora do Leite/Ísis, tamém em Lugo a Virgem dos Olhos Grandes foi transformada em Santa Maria. mas, ao contrário de Braga em que a Senhora do Leite foi remetida para um nicho no exterior da cabeceira da Sé, em Lugo a Virxen dos Ollos Grandes convive com os outros santos no interior da Sé, e em lugar de destaque.

Senhora dos Remédios (Pt., Gz. e Br.)

Senhora do Vencimento (Pt. e Br.) - conheço esta invocação em São João da Pesqueira, na Ribeira Grande (Aç.) e na Bahia (Br.)

Senhora do Viso (Gz.)

Senhoras do Monte - uma curiosa invocação múltipla. no caso do concelho de Guimarães, as "Senhoras do Monte" são três

Senhor das Almas

Senhor da Pedra - uma capela sobre um penedo ("a pedra") da Praia de Miramar, onde o paganismo inicial se mantém vivo. a própria capela diz que no seu lugar estava antes um culto pagão. foto www.canalfoto.org.

Senhor da Serra -
Senhor da Vida -
Senhor de Matosinhos -
Senhor do Além -
Senhor do Bonfim (Pt. e Br.) -


Senhor dos Aflitos -
Senhor dos Navegantes -
Senhor dos Perdões
Virgem do Faro -

Virgem dos Olhos Grandes - ver "Senhora dos Olhos Grandes"
Virxen do Faro - o mesmo que "Virgem do Faro"
Virxen dos Ollos Grandes - ver "Virgem dos Olhos Grandes"



12 comentários:

Anônimo disse...

Acrescento rapidamente e de memória:
Senhora da Luz
Senhora da Serra
Senhora do Carril
Senhor do Além

o viajante disse...

obrigado.
pena ser "Anónimo"
um abraço

Calidonia disse...

É coincidencia não referir nomes da Galiza.

Há santos, santas, virgens e demais, con nomes semelhantes, e construções religiosas ergueitas no seu nome. Mas há alguma razão pela qual estes nomes não se transladaram á toponímia?

Pela contra é muito comum encontrar capelas, igrexa..., eirexas, irixo..., mosteiro, moiment..

Calidonia disse...

Olha, vens de ser re-descoberto na Galiza:

Link

o viajante disse...

é só coincidência.
logo que possa vou corrigir a falta. o problema é que estes "senhores" e "senhoras", "virgens" e "santinhos" são muitos, na Galiza. vai dar outro post.

quanto a ereixas, irixo, mosteiro, moimenta, já escrebi um pouquinho sobre isso, mas vai dar conversa para mais uns posts.

a Páscoa é uma boa ocasião para pensar e desfrutar outras coisas. a família, a primavera...sei lá...

aquele abraço.

ps. já sentia a falta dos seus comentários. volte sempre. quanto a chuza.org, fico contente e grato por me ter dito.

Jo Lorib disse...

Interessante este post, já havia o amigo tocado no assunto anteriormente, tanto num post sobre Lugo como no dos santos, cultos apropriados pelo catolicismo.Se não fosse uma coisa infantil, gostaria que se extendesse um pouco mais, acho que o assunto merece.Abraços desde São Paulo

o viajante disse...

coisa infantil coisa nenhuma. é importante e vou fazer os possíveis por corresponder. só que será um assunto interminável, ou quase...
um grande abraço desde Coimbra, esta cidade pequenininha mas que prende aqui os que venhem de fora, como eu.

D'Noronha disse...

Caro amigo, revirei minha cabeça à procura de algum topônimo com Senhor ou Senhora, sem o Nosso ou Nossa. Confesso que não me lembrei de nenhum. Acho que Monsenhor não é deste contexto, pois conheço a cidade de Monsenhor Paulo, em Minas Gerais-Br.
Mudando de assunto, eu passei 20 dias em Coimbra no ano 93 e fiquei num simpático hotel chamado Astória, de frente para o rio. da janela do hotel avistava ao fundo e ao alto uma construção grande e antiga como um convento.Agora, com uma foto na mão, não me lembro o que é. Poderia me informar?
Um grande abraço.

o viajante disse...

esse é o Convento de S. Francisco. hoje está sendo recuperado e transformado num "Centro Cultural", onde se realizarão eventos de Arte e Literatura.
quanto a não conhecer Santo ou Santa no Brasil sem o Nosso ou a Nossa, penso que será de atribuir a que os portugueses levaram para aí um culto já mais oficial e, portanto, mais cristianizado, enquanto que aqui as coisas ficavam no seu ponto natural.
um grande abraço.

o viajante disse...

agora repensei. você disse "ao alto" e não "em frente". então é o Convento de Santa Clara (Santa Clara-a-Nova), onde repousam os restos mortais da Rainha Santa Isabel, Isabel de Aragão, mulher do rei D. Dinis. fez o chamado "Milagre das Rosas", coisa que uma sua antepassada, também Isabel e tamém Santa, mas da Hungria, já havia feito. não sei interpretar isso. será um mito que corria na época, ou uma referência à Rosa Mística, a algo esotérico?
é sabido que foi essa Rainha que trouxe de Aragão, por influência dos vizinhos provençais, o culto do Espírito Santo, a que a Rosa Mística está associada. esse culto está mais vivo nos Açores e no Brasil do que aqui em Portugal Continental - onde sobrevive sob a capa da Festa dos Tabuleiros, em Tomar, e do Bodo, em Pombal.

e porquê "Santa Clara-a-Nova" ou só "Santa Clara"? porque cá em baixo, junto ao rio e do lado de lá, visto do Hotel Astória, estão as ruínas recuperadas do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, que o rio Mondego foi atolando até que as monjas tiveram que sair e construir novo mosteiro no cimo da colina.

aquele abraço

D'Noronha disse...

Nada como pedir informação de lugar a um 'toponímico'...
Obrigado e boas férias.

Teo Dias disse...

amigo,

por linhas e ligaçõe travessas cheguei às " senhoras e senhores".
nos meus passeios pelas ruas, encontrei uma santa senhorinha!

acrescento para o informar que a foto do senhor da pedra não se consegue abrir com o "firefox".
por hoje será tudo, talvez um dia destes publique uma foto da capela da senhora do Ó! aquela dq minha urbe que está voltada para o rio.
abraço