sábado, 3 de março de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra E

(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)


Ebo-
a Ext-


Ébora – ver “Évora”
Edral –
Edrosa –
Edroso –
Ega –

Eido (Pt. e Gz.) – terreno que rodeia a casa em que se vive ou viveu

Eidos (Pt. e Gz.)– plur. de “Eido”: “terra natal”
Eira –
Eira de Ana – preciosismo linguístico anacrónico por “Eiradana”?
Eirado –
Eira do Milhano – de “Emiliano”?
Eira Pedrinha –
Eiras –
Eiras Altas –
Eiras Maiores – “eiras grandes”
Eira Vedra –
Eirinha –
Eiró – diminut. de “Eira"
Eirol –
Eirós –
Eirozes –
Eixo –
Elvas –
Embra –

Encomenda - encontra-se em "Monte da Encomenda". está por “Monte da Comenda”?

Encontro – ponto de confluência de diversas vias
Encruzilhada – o mesmo que “Cruze” e “Cruz”
Endrinal (Mir.) – ver “Andrineiras” e “Andrinos”
Engenho –
Engo –
Engrade Grande –
Entalada –
Entre-Ambos-os-Rios –
Entre-as-Cabeças – ver "Cabeça"
Entre-os-Rios –
Entre Penedos –
Entrimo (Gz.) –

Entroncamento – lugar onde entroncam diversas vias, tendo em conta o destino principal

Entroncamento de Poiares –
Envendos –
Enxabarda –
Enxameia –
Enxames –
Enxara –
Enxara do Bispo –
Enxara dos Cavaleiros –

Enxarrique - hidrónimo: "ribeiro de Enxarrique"– ver “Enxar…+…rique”. cf. “Enxara”

Enxerim – foi chamada “Enxarim”. ver “Enxara”
Enxertada –
Enxerto –
Enxofães –
Enxudre –
Eo (Gz.) – desc.: “rio” (?) cf. “Ribadeo”
Erada –
Ereira –
Ericeira –
Ermelo - pronunc. “Ermêlo"
Ermesinde – “quinta ou propriedade de Ermenesindo”
Ermida –
Ermidas –
Ermidas do Sado –
Ermosende (Gz.) – o mesmo que “Ermesinde”
Erra –
Ervas Tenras –
Ervedal –
Ervedeira –
Ervedosa –
Ervedosa do Douro –
Ervideira – o mesmo que “Ervedeira”
Ervosas –
Escalhão –
Escalos –
Escalos de Cima –
Escamobois (Gz.) –
Escapães –
Escarigo –
Escariz –
Escarpão –
Escorna Bois -
Escoural – lugar de escórias de mineração
Escravitude (Gz.) -
Escudeiro –
Escudeiros –
Esculca –
Esculqueira (Gz.) –
Escurquela –
Escusa –
Esfarrapada (Gz.) –
Esfrega –
Esgos (Gz.) –
Esgueira –
Esmoriz –
Espada –
Espadacinta – em “Freixo de Espada à Cinta”
Espadanal – ver “Espada”
Espadanedo –
Espadaneira –
Espaio –
Espairo –
Espargo –
Espariz - pronunc. “Espàriz”
Especiosa –
Espiche –
Espichel - em "Cabo Espichel"
Espinhaço de Cão - este é na Serra da Estrela)
Espinhaço de Cão é orónimo. ver "Serra de Espinhaço de Cão"
Espinhal –

Espinheira – zona de “Espinhos”? ver "Espinho", "Espinhaço e "Espinhal"

Espinheiral – o mesmo que "Espinhal"
Espinheiro –
Espinhel –
Espinho – ponto alto (de uma serra, por exemplo)
Espinhosa –
Espinhosela – diminut. de "Espinhosa"
Espinhosa -
Espinhoso –
Espirra –
Espirra de Baixo –
Espite –
Espiunca –
Esporões –
Esqueiros –
Esquipa –
Estaca de Bares (Gz.) –

Estarreja – “estrada régia”? eusk. como “Biarritz”? era chamada “Vila do Antuã” quando recebeu de D. Manuel I o foral, em 15 de Novembro de 1519

Estás (Gz.) –
Este - hidrónimo. ver "rio Este"
Esteireiros –
Esteiro – o mesmo que “Arroio”
Esteiro do Gramatal –
Esteiro do Mar Santo –
Esteiros – plur. de “Esteiro”
Estela –
Estevais –
Estevianas –
Estivadas (Gz.) –
Estômbar –
Estorãos - de “Astúrias”, de “Astorga”: Asturianos, Astorganos
Estoril –
Estrada –
Estrada Velha –

Estrela - orónimo: ver "Serra da Estrela" – cruzamento de muitos caminhos? é um topónimo recorrente em toda a Europa, com especial incidência em França e na Península Ibérica: Esteille, Esterelle, Lizarra, …

Estrela d’Alva –
Estreitinha –
Estreito –

Estremadura - do lat. extrema durii: "os confins do Douro". designa(va), quer em Portugal quer em Espanha ("Extremadura"), os territórios conquistados aos reinos mouros. com o passar dos tempos, estas designações foram sendo empurradas para sul, perdendo a ligação de proximidade geográfica com o rio Douro.

Estremal –
Estremão –
Estremoz –
Esturãos – o mesmo que “Estorãos”: astures, vindos das “Astúrias”
Esturrado –
Eume (Gz.) - hidrónimo. rio Eume
Évora – desc.: "a (cidade) da (deusa) Iéborah” (Ebura)
Évora de Alcobaça –
Évora-Monte -
Extremaduira - ver "Estremadura"
Extremo -

5 comentários:

Gundibaldo disse...

É interessante verificar que explica "Évora" como derivada do nome de deusa "Déborah".

Tradicionalmente o nome é dado como procedendo do céltico "Eburo", significando "teixo", árvore fundamental no âmbito religioso e cultural celta e anteriormente muito mais abundante no nosso país e no resto da Europa Ocidental. Pode encontrar-se hoje espontânea apenas no Gerês, Montesinho e Estrela, e ainda nas montanhas das ilhas atlânticas.

A palavra céltica estaria também na origem de outros nomes de localidades em Portugal, como as romanizadas Eburobrittium (Óbidos) ou Eburobriga (Fundão) e ainda Évreux, York, e muitas mais nas ilhas Britânicas, França, Espanha e Itália.

Um abraço da finisterra

Gundibaldo

o viajante disse...

é interessante que faça derivar “Évora” de “teixo”, ainda que celta. isso é o que dizem, de facto, autores como J. P. Machado, Ballester e Amaral e Amaral. ipsis verbis.
e nisso de “celta” estamos de acordo.
quanto aos fitónimos…, cada um diz uma coisa e há vegetação para todos os gostos, embora nem sempre no sítio certo.
não estamos no campo das certezas.
há até quem diga que “Eburobrittium” corresponde à actual “Évora de Alcobaça”.
e que a “Óbidos” de hoje se casa muito bem com palavra latina praticamente igual, cujo significado é um povoado com aquelas mesmas características.

e tamém estamos de acordo quanto ao carácter religioso da questão:

a nossa “Évora”… bom, o que há de antigo em “Évora” é um templo romano, que prossegue um culto anterior, que prossegue na Sé.
não me lembro de ter escrito “Déborah” (nome com pronúncia bíblica).
aquele abraço.

Gundibaldo disse...

Tem toda a razão quanto à "Déborah", para onde me empurrou o intrometido corrector do Google...

Quanto às "Éboras", sobretudo é sedutor tentar explicar a proliferação de nomes pré-romanos ou romanos cuja origem pode radicar precisamente no sufixo "eburo-" e que se encontram por toda a fachada ocidental da europa (ver, por exemplo, a história rocambolesca de York/Eburacum em http://www.northeastengland.talktalk.net/YorkCity.htm
ou do nome da cidade italiana de Eboli/Eburum).

Obviamente não é só o atractivo pan-europeísmo da palavra, mas também o seu valor como reflexo da importância que a floresta (sobretudo algumas espécies arbóreas, como o teixo) tinham no quotidiano dos nossos antepassados.
Pelas mais variadas razões (incluindo o "natural" aquecimento global que sucedeu à glaciação de Würm e a intensa procura pela sua valiosíssima madeira, no caso do Taxus baccata) algumas espécies quase estão extintas na natureza, mas muitas vezes são relembradas na toponímia...

As "Eburo-" portuguesas, a que associei despretensiosamente as localidades importantes mais próximas, ocorrem fora da actual área de distribuição do teixo espontâneo. É o caso das regiões de Óbidos, de Sintra (da "Ebora" que se situava próximo do promontório Magno) e de Évora, sendo possível excepção Eburobriga (localizada no maciço da Gardunha/Estrela).

O recurso a nomes próprios (como "Eburos") na toponímia das épocas pré-romana e romana poderá também explicar esta esquisita distribuição...

Abraço atlântico

Gundibaldo

o viajante disse...

a floresta mágica, claro.
a morada de deuses.
a religião celta.
como "Carvalho" / "Bellenos"

Daniel Pratas disse...

Boas, andava a ler um pouco sobre a história da minha terra, essa que fica na fronteira entre o concelho de Condeixa-a-Nova e Soure, de nome Ega.

De facto nunca soube a origem do nome Ega, um nome curioso, familiar a muitas pessoes desde a escola primária, quando lhes ensinaram a classificar as palavras em agudas, graves e esdrúxulas (EGA).

Reparei que a origem do nome Ega é indefinida, mas adorei o seu blog, e deliciei-me a descobrir mais um pouco sobre a minha região!!!