terça-feira, 13 de março de 2007

Topónimos Galego-Portugueses e Brasileiros - Letra F (2)


(base de dados resultante de recolha pessoal. não está autorizada a sua utilização sem autorização expressa do autor)


Fra- a Fuz-


Fradelos – diminut. de “Frades”
Frades (Gz.) –
Fraga –
Fraga da Pena –
Fragas –
Fragosela – por “Fragozela”
Fráguas –
Fraguinha –
Fragura –
Fraião –
França – aldeia povoada por gente que veio de França
France – ver “S. Pedro de France” –
Francelos – diminut. de “Francos”
Francos – aldeia povoada por gente que veio de França (cruzados?)
Francosa –
Fradizela –
Fraga do Monte da Iria –
Fragosela –
Fratel –
Frazão –
Freamunde – de
Freamund?
Frechal –
Fregim –
Freguesia do Ó (Br.) –

Freiria – terra de ou dos freires (irmãos/ cruzados/ monges de Alcobaça -? -)

Freiriz –
Freita – em “serra da Freita”. de “fracta”: partida, quebrada
Freitas –
Freixianda –
Freixieiro -
Freixiel –

Freixo-de-Espada-à-Cinta – o mesmo q. “Freixo de… (grafia exacta desconhecida) ”. ver “Porto da Espada”. foi chamada apenas “Freixo”. já se escreveu, e bem, “Freixo de Espadacinta”. “Espadacinta” é topónimo na confluência dos Rios Huebra e Douro, em Saucelle, Província de Salamanca, mesmo junto à fronteira com Portugal, na região de Freixo-de-Espada-à-Cinta.
por isso, deverá escrever-se “Espadacinta” e nunca “Espada-à-Cinta”.
“Cinta” pode querer dizer “apertada”, “estreita”, fazendo alusão às gargantas do Douro na região das “Arribes del Duero”

Freixo de Numão –
Freixos –
Fresno – hidrónimo: ver “Rio Fresno”

Fresulfe – topónimo de origem germânica. é o genitivo de um antropónimo, indicando a quem pertence(u) a villa ou quinta

Frias –
Frias de Baixo –
Frias de Cima –
Fridão –
Friestas –
Friões –
Friol (Gz.) –
Friúmes –

Fronteira – lugar onde houve uma delimitação estável do domínio árabe

Frossos –
Fujaco –
Fujacos –

Funchal – há o "Funchal" da Madeira, mas também no Continente, na Região Saloia

Fundada –
Fundão –
Fundevila – o mesmo que “Fundo de Vila”
Fundo da Caldeira –
Fundo de Vila –
Furadouro –
Furelos (Gz.) – diminut. de “Furos”?
Furna –
Furna Que Sopra –
Furnas –
Furtado –
Fuzeta –

8 comentários:

Morgan disse...

Convido-o (e a todos os que visitam este blogue) a conhecer e a participar num novo projecto na área das novas tecnologias e da arqueologia.
O projecto tem o nome de Archeologica e trata-se de um website em formato wiki, de utilização livre...
Visite e obtenha mais informações aqui: http://ocaco.net/blog/?p=190 ou em http://archeologica.ocaco.net

Nóbrega disse...

José:

Acabo de ler a sua entrevista no PGL. Deixe-me felicitá-lo pela excelente entrevista que deu!. Foi com muito agrado que a recebi e a li no mesmo instante. A sua visão sobre a questão em causa é bastante clarividente e racional e fico felicíssimo por haver mais quem partilhe das minhas ideias. A maneira simples - e no entanto explícita - com que descreve a problemática deveria ter mais receptores a nível desta nossa Galiza do sul.
Mais mentes se abririam concerteza...

Parabéns!


Abraço,

Nóbrega

o viajante disse...

obrigado pelo seu incentivo.
como diria o Zeca Afonso, "venham mais cinco". para a nossa "luta", claro.

lúa disse...

obrigada a nóbrega por facer que busque esta entrevista tan interesante.

deixoa aí aparcadiña para darlle un par de voltas e volver sobre o tema.

graciñas, de verdade.

lúa disse...

ai, claro, que se me quedaba atrás:

noraboa viajante!

o viajante disse...

"lua", por que nom vês o comentário que deixei no teu blogue?

lúa disse...

:)

andamos cruzados. xa vin, e xa contestei sen sabelo...

graciñas, outra vez, graciñas.

Nóbrega disse...

Fico contente por ter feito com que desse de cara com a entrevista, Lua.
Além de que a entrevista é merecedora de atenções...

Cumprimentos,

Nóbrega