domingo, 6 de maio de 2007

Arrábida, Atalaia, Azóia, Cuba e a Cavalaria Espiritual Islâmica (*)

Arrábida - do árabe al-râbita. as “arrábidas” eram uma espécie de conventos fortificados que se destinavam à vigilância e defesa das fronteiras islâmicas de terra ou de mar. situavam-se em lugares estratégicos favorecidos pela geografia, quase sempre distanciados das cidades, tais como altos de serras ou elevações de terreno, arribas costeiras, meandros de rios. eram ocupados por confrarias sufis que seguiam a via das Cavalarias Espirituais, em muitos aspectos afins da Cavalaria Templária. sempre que as circunstâncias o impunham, os seus membros colocavam de lado o estudo do Livro sagrado e partiam em defesa da Umma ou Comunidade dos Crentes. as “arrábidas” eram, pois, lugares de actividade espiritual e complementavam, simultaneamente, a função das torres de vigia ou al-talai’â (atalaias). ver “Atalaia”.


exemplos:
Arrábida
Arrábidas
Arrábido
Arrábidos
Convento da Arrábida
Monte da Arrábida
Ponte da Arrábida
Portinho da Arrábida
Quinta da Arrábida
Rua da Arrábida
Serra da Arrábida
Travessa da Arrábida

da mesma etimologia:
Rábito
Rábitos
Rápida
Rápido
Rebata



Atalaia - do árabe al-talai’â, eram torres militares de vigilância.

exemplos:
Atalaia - várias povoações com este nome
Ponta da Atalaia
Póvoa da Atalaia

Azóia - do árabe zâwiya (“recanto“). era o edifício-sede de uma Irmandade Espiritual sufi e residência do respectivo Mestre, com sua família e servos. era um lugar de iniciação e de instrução filosófica e espiritual. dispunha de celas para os neófitos, jardins e, não raramente, de uma pequena mesquita. nas sessões regulares praticava-se um ritual que compreendia numerosas práticas de elevação espiritual, a rememoração dos nomes de Deus (Allah), a entoação de litanias ou ladaínhas e a leitura de trechos dos grandes mestres, seguindo-se um silencioso ágape. lugares de meditação, leitura e escrita, as “azóias” eram, interiormente, lugares de silêncio, recolhimento e calma. porém, ao seu redor movimentava-se uma romaria de neófitos, viandantes e peregrinos, que traziam oferendas e procuravam beneficiar do influxo espiritual do Mestre, a quem se reconhecia o poder de curar as doenças do corpo e da alma. Habitualmente, no fim da vida, o Mestre entendia por cumprida a sua tarefa e retirava-se como eremita, passando a ocupar um morábito encimado pela respectiva qubba, ou “cúpula“, construído pelos seus discípulos (ver “Cuba”). a importância religiosa, social e cultural destes lugares ultrapassou o período de domínio político muçulmano, pervivendo em dezenas de topónimos e, não raramente, passando a constituir lugares de invocação cristã.

exemplos:
Azóia - várias povoações com este nome
Azóia de Baixo
Azóia de Cima
Azóio
Azóis
Azueira
Cabeços de Azóia
Carvalhal da Azóia
Casais da Azóia
Moinho da Azóia
Pedra da Azóia
Santa Iria da Azóia
Serra da Azóia


Cuba - do árabe “qubba”, a cúpula do morábito ou eremitério (ermida) onde os Mestres espirituais, terminada a sua missão, se recolhiam para uma vida de meditação e ascese, e no interior do qual eram sepultados após a morte. tornavam-se, então, lugares de peregrinação para os fiéis, que esperavam receber do mestre defunto a graça santificante. após a conquista cristã muitos destes morábitos continuaram a ser frequentados pelos crentes muçulmanos e cristãos, o que levou à sua transformação em capelas, ou ermidas. são muito vulgares no Alentejo e no Algarve.
em alguns casos, o topónimo “Cuba” é de origem latina e significa “reservatório de água”.

exemplos:
Alcoba
Alcobe
Alcube - também como hidrónimo, em “Ribeira de Alcube”
Alcubela de Baixo
Alcubela de Cima
Cuba - várias povoações têm este nome, ressaltando a conhecida Vila do Alto Alentejo
Cubada
Cubadas
Cubal
Cubalhão
Cubancas
Cubanco - também grafado “Cobanco”
Cubas
Cubato
Macieira de Alcoba

(*) para a elaboração desta postagem segui de muito perto a obra de Adalberto Alves , Portugal e o Islão Iniciático, Ésquilo, Lisboa, 2007, sobretudo as pp. 19-26 e 91- 111.

2 comentários:

D'Noronha disse...

Teria 'Cubatão' (SP-BR) algo a ver com Cuba?

o viajante disse...

meu caro Noronha,
estou em crer que Cubatão
derive de "cubata" (palhoça, choupana,espécie de habitação em África). mas "cubatão" também pode significar um pequeno outeiro na base de uma cordilheira de montanhas.e o interessante é que qualquer das etimologias convém à Cubatão paulista...
e, como não me canso de referir, a memória da origem dos topónimos desaparece a uma velocidade vertiginosa.
aquele abraço festivo, desde Coimbra. aqui, a Universidade está vivendo a sua tradicional e anual "Queima das Fitas".