quarta-feira, 15 de março de 2006

Oleiros. Olarias e Cerâmica


da saga que levou à sedentarização em povoados, com o desenvolvimento da agricultura, fez parte a produção de uma série de utensílios indispensáveis à conserva e transporte de alimentos, à cozinha, à apresentação da comida e da bebida e ao momento das refeições. enquanto era suficiente, usou-se a cana, a cabaça e a madeira como matéria prima. ainda restam, em algumas aldeias, alguns desses utensílios, seja por ainda estarem em uso, seja apenas para turista ver.
mas o que deu a alma à civilização agrícola e lhe exteriorizou os sentimentos foi a cerâmica e, dentro da cerâmica, a arte e o ofício próprios da olaria.
povos (povoados) na Galiza, em Portugal e no Brasil (ver Comentº) que se especializaram na produção de figuras de barro, com as quais se dá largas a uma tradição comum, a um tempo erótica e satírica, que se manifesta(va) também nas cantigas de escarnho e maldizer.
a importância da olaria e da cerâmica justifica que a presença de oleiros ou de lugares de produção cerâmica tenha deixado marcas na toponímia. embora houvesse olarias e oficinas muito antes, os topónimos mais antigos deste grupo são arábicos e situam-se na região moçárabe.
ainda hoje há aldeias, como Bisalhães, Molelos e Vilar de Nantes que preservaram formas e técnicas próprias de olaria, procuradas pelos apreciadores.
grande parte dos topónimos que se seguem designam lugares onde já não há vestígios do ofício, embora em alguns casos ainda esteja presente em lugares não muito afastados - provavelmente herdeiros desse saber.


Aldeia de Oleiros

Alfafar (árab.: "al-fakhar": "olaria")
Alfarela
Alfarelha
Alfarelos (árab. :"al-fakhkhar": "loiça de barro")

Molelos (ainda hoje é uma terra de produção cerâmica tradicional própria. a questão é saber se o termo "molelos" tem que ver com a roda do oleiro)

Ola ("panela", "pote de barro". está por "olaria"?)
Olas
Oleira (Pt. e Gz.)
Oleiro
Oleirolos (diminut. de "Oleiros")
Oleiros (Pt. e Gz.)
Olela (diminut. de "Ola")
Olelas (Pt. e Gz.)



5 comentários:

D'Noronha disse...

Caro José Cunha,
descobri seu blog ao visitar Jo Lorib.Achei muitíssimo interessante.
Dentro de seus conhecimentos toponímicos, você tem alguma explicação para Noronha?
Agradeço qualquer informação.
Um grande abraço,
Antonio Noronha.

o viajante disse...

olá!
(de)"noronha" é um apelido de origem nobre. a preposição "de" antes do nome indica que este é de raiz toponímica, tal como (da)"cunha". sabe-se que é das astúrias, da região de oviedo, mas é difícil de identificar qual será, já que a forma "noronha" é uma evolução portuguesa da forma original. supõe-se que seja "noreña".
e já não sei muito mais, para além do que vem nas genealogias...
aquele abraço.

pode visitar esse sítio:
http://www.aytonorena.es/

D'Noronha disse...

Obrigado pelas informações, José Cunha. O D' que eu assino artisticamente é só uma abreviação de D'Aquino. Antonio Paulo D'Aquino Noronha.
Mudando de assunto, aqui em Florianópolis há uma grande concentração de oleiros vindos dos Açores que foram os colonizadores principais da cidade.É uma marca da cidade e da cidade vizinha, São José, que posuui até uma escola pública de oleiros.
Um grande abraço.

o viajante disse...

juntei-o aos meus enlaces ("links"). obrigado pelas suas informações sobre Florianópolis, São José e os Açores. nos Açores há um importante ramo dos "Noronha".
aquele abraço

Anônimo disse...

Exelente blog...

conheça melhor o artesanto de molelos em: molelos-tondela.blogspot.com

abraço

molelos